Como o divórcio vem repercutindo nas famílias

Considerando que os índices de casais se divorciando tem aumentado muito, principalmente do ano de 2020, onde as pesquisas apontam 53 mil casos só no primeiro semestre do ano passado. Os dados estão no 11º anuário de Justiça de São Paulo, da editora Consultor Jurídico.

Houve grande aumento também no número de divórcios realizados em cartórios, 43,8 mil processos no segundo semestre de 2020, segundo informações do Conselho Nacional do Brasil, que registrou alta em 22 estados e no Distrito Federal.

São os reflexos da pandemia COVID 19?

Diante do número de divórcios realizados, houve um despertar para compreender os motivos que levam os casais a romper o vínculo familiar e, Neste trecho de The waragainstparents, o estudioso de filosofia Cornel West enfatiza quão profundamente sua vida familiar foi modificada pelo divórcio, um dos muitos fatores sociais que gradativa mas inevitavelmente viraram a família nuclear de cabeça para baixo. A família de hoje não é o que era há um século ou mesmo na geração anterior. Novos papéis, novas distinções de sexo, novos padrões de criação de filhos se combinaram para criar formas inéditas de vida familiar. Hoje em dia, por exemplo, uma quantidade cada vez maior de mulheres está assumindo o papel de provedora, sejam elas casadas sejam mães solteiras. Famílias mistas – resultado do divórcio e de um novo casamento – são quase a regra. E muitas pessoas estão buscando relações íntimas fora do casamento, seja em uma parceria gay seja em acordos de coabitação. (…) os padrões de família diferem de uma cultura para outra e também na mesma cultura. No entanto, a família é universal – encontrada em todas as culturas. Uma família pode ser definida com um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado, ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução e cuidado dos membros da sociedade (…).

Diante desta realidade, notamos que além de toda a transformação que vem ocorrendo no mundo, a família como meio mais sensível à isso, também está se modificando. Óbvio que as famílias são variadas por toda parte do mundo, sendo fator relevante o cultural. Mas o que explica esse desejo de romper? A pandemia trouxe novos aspectos de relacionar-se? Os casais seguiam casados, porém cada um vivendo sua vida como lhe aprouvesse? A pandemia trouxe nova forma de viver e novas obrigações? Aparentemente sim, mas só com o tempo iremos ter exata compreensão.

Seguimos em frente observando os vários estilos de vida e os novos tipos de relacionamentos.

GISELI PRADO – Advogada – Especialista em Direito de Família

Fonte:

  • The waragainstparentes
  • 11º anuário de Justiça de São Paulo, da editora Consultor Jurídico
  • Conselho Nacional do Brasil